Sozinha na Tanzânia: como se virar por quatro dias em Zanzibar

DSC_0737

Nungwi Beach e o pôr-do-sol mais lindo que já vi na vida

Quem vê fotos de Zanzibar pensa que não deve ser difícil passar uns dias só descansando na frente do mar mais lindo da África. Bom, eu não diria o mesmo. O post atrasado de hoje é com dicas e relatos da minha experiência sozinha nessa ilha maravilhosa em 2013. A viagem foi um dos pulinhos que dei ali pela África quando fui dar aula no Quênia, jornada que me fez criar esse blog.

Em Nairóbi, a principal recomendação de onze entre cada dez intercambistas (sim, é mais que unânime esse amor!) era de que ir até lá e não conhecer Zanzibar é tipo ir a Paris e não ver a Torre Eiffel. Zanzibar é um conjunto de ilhas na costa da Tanzânia. O arquipélago é formado pelas ilhas Zanzibar e Pemba, e por algumas ilhotas que as cercam. A principal cidade da área também é conhecida como Zanzibar, e sua Stone Town foi declarada como patrimônio da humanidade pela Unesco. O lugar é cheio de histórias malucas que o tornam único: Zanzi tem uma arquitetura sensacional, com influências árabes, hindus, africanas e europeias, mercados cheios de iguarias, fortes… A ilha também foi muito usada para o tráfico de escravos, então essas construções são super presentes pela cidade.

oldfort

Old Fort, em Stone Town

Apesar de todo mundo recomendar, dei o azar de chegar na semana em que a maioria dos intercambistas estavam voltando de lá, ou seja, se eu quisesse ir teria que ir sozinha. Relutei, mas passei mais de um mês ouvindo como aquele lugar era sensacional que não resisti: decidi que minha última semana seria em Zanzibar.

Chegando em Zanzibar, decidi ir primeiro para o extremo Norte da ilha, onde fiquei na praia mais linda que já vi na vida: Nungwi Beach. A praia é uma das mais badaladas de lá, mas como fui em baixa estação muita coisa estava fechada. Fiquei no Paradise Beach Bungalows, um hotel nada chic pros padrões daquela área mas com os pés na areia. Eu era a única hóspede naquela data, então talvez por isso estivesse tão sem luxo. As diárias não foram as mais baratas (US$ 50 por dois dias), mas como só fiquei dois dias acho que valeu a pena. Além disso, tem luxo maior do que acordar, sair do quarto e dar de cara com isso? A vida nem precisa de filtro do Instagram desse jeito.

zanzi3

A vista do quarto em Nungwi Beach

Nos dois dias que fiquei por lá, decidi só passear mesmo. Nungwi é um dos lugares mais indicados para mergulhar, mas como já era fim da viagem e eu estava bem lisa, optei por não me aventurar.

A praia é cheia de “beach boys”, que nada mais são do que uns caras que te abordam oferecendo serviços de guia e querem ganhar dinheiro nas costas de turista. Eu, mulher, sozinha, é claro, fui alvo de um. Tentei fugir, mas o cara grudou em mim. Em alguns momentos foi até útil, porque eu estava sem shillings tanzanianos e, como estávamos em baixa estação, todos os câmbios de Nungwi fecharam, então ele me descolou uns lugares para comer que aceitavam shillings quenianos e ainda me ajudou a conseguir trocar uns dólares.

Fim dos dias em Nungwi, pensei que ele fosse desgrudar de mim porque morava lá e, para a minha surpresa, sete da manhã ele estava me esperando na porta do hotel para me levar para Stone Town. Insisti muito para que ele ficasse (sem ser indelicada, porque estava começando a ficar com medo da situação), mas ele foi atrás de mim e ainda passou mais um dia comigo pela ilha. Foi lá que eu descobri que o que ele estava fazendo é ilegal: como é a área mais turística, vários policiais ficam olhando para ver se esses meninos não estão roubando o serviço de guias de turismo certificados. É até uma questão de segurança, então quem for por lá por favor opte pelo guia formado e com crachá. Passeamos o dia todo por Stone Town e no fim do dia ele quis ficar hospedado no meu quarto. Disse não, ele ficou puto, começou a dizer que tinha se apaixonado por mim (oi?), e eu chamei um policial. No dia seguinte, o carinha ainda ficou tentando me perseguir, mas como comecei a andar com um pessoal do hostel ele nem se aproximou. É por isso que reforço: pelo amor, não deixem esses meninos chegarem perto!

Outro detalhe é que Zanzibar tem fortes influências muçulmanas, por isso é recomendado seguir algumas regras (nada de andar de biquini, ombros de fora e etc). Como em lugares assim o desrespeito à mulher é muito maior, eu busquei ser ainda mais discreta para evitar dor de cabeça.

Além de toda a beleza natural e história, Zanzibar atrai ainda vários turistas por ser a terra natal do Freddie Mercury. Os fãs do vocalista do Queens podem até se hospedar na casa em que ele morou na infância e parte da adolescência. Para isso, na época, era preciso pagar uns R$ 800 na diária. Eu só tirei foto na frente, porque nem tão fã assim sou, haha.

mercury house

Um passeio que quem vai a Zanzibar não pode deixar de fazer é para a Prison Island (ou Changuu, em suaíli). A ilha fica a uma hora e meia de Stone Town e tem um cenário super legal, com tartarugas gigantes centenárias. Um dia de visita guiada é suficiente pra conhecer o local, relaxar na praia e fazer mergulho ou snorkelling. É possível também se hospedar na ilha, mas só há um resort e é bem caro.

tartaruga

As tartarugas centenárias

zanzi2

Changuu Island

prison

Snorkelling em Prison Island

 

Dicas de quem foi:

Como chegar

Fui de Nairóbi para Zanzibar em um voo não tão low-coast assim que me custou uns R$ 700. Tem gente que vai de ônibus também, mas como demora mais de um dia e eu tinha pouco tempo, não quis perder tantas horas (além de não ser seguro para uma mulher sozinha).

Após chegar no aeroporto de Zanzibar, fui de taxi para o Norte. Custou cerca de US$ 50. De lá para Stone Town, paguei poucos shillings (não lembro o valor) em um dala-dala (transporte coletivo local). É possível também alugar carro, mas em Stone Town isso se torna praticamente inútil porque a graça é andar pelos becos.

zanzi

Onde ficar

Em Nungwi, fiquei no Paradise Beach Bungalows. Eles mentem de cara no site dizendo que a internet é boa. Pelo menos quando fui, nem pegava. Paguei US$ 50 por dois dias e uma noite, e usava internet no Hilton (é só ir no restaurante de lá, pedir uma Coca e usar o wi-fi a vontade). Já em Stone Town, não lembro o nome do hostel porque cheguei e peguei um que vi na rua sem ter feito reserva. Amei o lugar e foi baratinho, tipo US$ 20 a diária com café da manhã incluso (na época, o dólar estava mais amigo também).

O que visitar

Fora as praias, Zanzibar é uma cidade cheia de histórias. Só caminhar pelas ruas de Stone Town já é uma mega atração, principalmente para quem gosta de arquitetura, mas há alguns pontos que não podem ficar de fora como o Old Fort of Zanzibar, Museu da Escravidão, a casa do Freddie Mercury, o mercado, e outros. No último dia, pegamos um barquinho e partimos para outra ilha chamada Changuu, e mais conhecida como Prison Island. Como o nome já diz, é onde ficava uma antiga prisão. As ruínas foram conservadas e hoje fazem parte de um hotel. É lá também que vemos aquelas tartarugas gigantes (inclusive vi uma transando… bizarro!), e depois fomos fazer snorkeling. Definitivamente foi um dos passeios mais legais que fizemos!

000026

Idioma

Em Zanzibar, se fala suaíle como no Quênia. Eu tentei treinar o meu, mas eles trocam algumas palavras e o sotaque também é diferente, então me dei mal. Mas além disso, quase todo mundo fala inglês. É a opção para os viajantes.

Visto

O visto tanzaniano é emitido na chegada ao país. É preciso apresentar passagem de volta, passaporte válido e reserva de hotel. Há também uma taxa de US$ 50. É necessário estar com certificado internacional de vacinação contra febre amarela (e eles cobram mesmo, então tenham!). No aeroporto, sempre tentam enganar turista falando que há uma taxa de check-in de US$ 50 também. Isso é mentira. Para não irritar os caras (e eles brigam mesmo), dê algum trocado. Eu não tinha mais dinheiro mesmo, então disse que não sabia da taxa, coloquei um sorriso no rosto e dei cinco dólares. Eles engoliram.

Quando ir

Eu fui em baixa estação e não me arrependo, mas perdi a parte animada de vida noturna e etc. Também dei a sorte de não ter pego dias de chuva, mas foi sorte mesmo! Para garantir, a melhor época para conhecer Zanzibar é no verão, entre junho e novembro.

tattoo

Anúncios

Um comentário sobre “Sozinha na Tanzânia: como se virar por quatro dias em Zanzibar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s